sexta-feira, 16 de abril de 2010

ProtRESTE: problema de olho é toco!


video

Ontem recebi um email encaminhado de um cyberspectador butano pra fudê na Suzana Vieira. Chamou a atriz de idiota e tudo rapá! Até fiquei pensando que era intriga da oposição porque ela, como diria minha vó, só se “amanceba com rapagote”. Foi então que abri o aquivo anexo e…BUM!!! @#$%^&…!!!

Eu, nos EUA, com uma saudade da goitana do Recife e do meu interior pernambucano, tenho que ouvi uma desaforada cheia de pelanca e osteoporose, que acho que num güenta mais uma pêa, abrir a boca cheia de botóx pra falar que o povo de Nova Jerusalém se comunica por tambor e fumaça de índio. VÁ SE ARROMBÁ! Chama a tribo Xukuru prela vê o que é fumaça! Tudo bem que eles não são canibais, o que não daria pra aproveitar a carne pruma a cabidela, mas dá, pelo menos, pra aproveitar as mamonas pro Programa Leite de Pernambuco do Governo do Estado (porque aquilo não é peito, né? A autêntica mulé melância!). Como de graça até injeção na testa, ou toco no olho, se não der pra tirar o leite, com certeza, dará pra alimentar os bezerrim, que não iam faltar (do jeito que tá já não falta neguinho querendo a mamata, imagine, então, se fosse destinado a projeto social?!).

Mai, né lasca mermo?! Ela me sai de ItaiANgÁ, nome de índio do carai, na “Baaarrraaa, no Rio de Janeiro”, pro meu Agreste (Aprende, visse pexte, A-GRES-TE! Nunca estudou geografia não, queridíssima?! Vamos agora usar todas as expressões típicas da Sussu no Vídeo Show). Ah, só falta agora dizer que a gente é paraíba, né? Já ouvi um carioca dizer: “Da Paraíba pra cima, é tudo paraíba”, pois é, ainda bem que ele sabia que Pernambuco fica abaixo da Paraíba na localização geográfica e que o país é divido em Sul, Centro-Oeste, Sudeste, Norte e NORDESTE!!!!! Ô vai dizer que a Floresta Amazônica secou e virou caatinga?! Ainda assim, que dobre a língua antes de falar dos meus companheiros paraibanos.
Como se não bastasse ter agüentado a Made in China Maria do Carmo (Porque se fosse Made in Toritam, o “oxente” seria menos Projac), o sapo cururu loro ainda teve a audácia de menosprezar a galera de Caruaru e Pernambuco dizendo que tá na selva (ahhh!!!! Agora somos africanos que vivem no jungle, no meio da savana!) e que não “Tô acostumaaaada!” (Alguém traz um chá de capim santo que ela tá com asia, coitada!). Oxen? Cadê o Bial? Pra quem vive furando olho dizer que não tá acostumada com um “toco dessa árvore bem seca, porque ela tá seca há 5 mil anos”... Entendi não! “Fiquei tonta, cai, desmaiei. Eu fiz uma lesão. Mas amanhã, vou no médico...De qual cidade? Ah, Caruaru! Dizem que têm três ótimos. Tanto um como o outro, o outro e o outro e aí eles vão fazer alguma coisa. Mas acho que o próprio organismo vai recuperar”. ÔPA! Nem chegou direito no hospital e já tá pensando no outro olho pra furar? Eita que Eu imagino o queijo que o pessoal da organização teve que aturar. Eu sendo eles tinha era largado ela no meio do bairro do Salgado pra ela cair no chão e ser comida de bicudo na boca pela Valentona (http://www.youtube.com/watch?v=PMKRWOxzSdg). Aí, sim, íamos ver se ela tinha medo de mandacaru. Aqui, fofíssima, tem essa de “tô acostumada não!”. É pêa, pêa, pêa, pêa, pêa!

A peituda plastificada, diz no Vídeo Show, em que tomou o microfone da repórter, que topa tudo. A miserávi tem a felicidade de ser convidada pra participar de um tradicional evento da Semana Santa que é a Paixão de Cristo, num dos maiores teatros ao ar livre do mundo em Nova Jerusalém e diz “como se chama isso aqui?”. Não se deu o trabalho se quer de saber sobre o lugar que tava indo. Caruaru, cidade histórica e de histórias. Deve ser efeito retardado causado por substâncias estéticas no organismo. É como minha vó dizia, a ignorância não se resolve com dinheiro. Não adianta se amancebar com uma pessoa rica se esta não tem estilo de gente. Sussu, tu tá é muito cheia das frecuras!

A bixiguenta, provavelmente, é daquelas artistas Projac que acorda todos os dias ao meio dia com café-da-manhã na cama, carro na garagem (só um?), maquiagem, botóx, caviar e acha que todo mundo tem que ficar de babá só porque meteu o olho num toco de árvore. A vida, minha lindíssima, é que nem rapadura: é doce mas é dura. O que cê dá pra natureza ela te dá de volta. Foi tirar onda dos galhos secos da árvore...se fudeu! Acho é bom!

O pior é quando esse povo vai no Arquivo Confidencial do Faustão. Ficam tudo pagando de fudido, que sofreu de fome no passado, que comeu lixo no começo da carreira. Até chorar, choram! Filha de diplomata, tu lá nunca passasse necessidade rapaiz! E se passou, deve ter é muito óleo de peroba na cara pra agir assim. Enquanto o povo do agreste se lasca de baixo de um sol quente todo dia pra trabalhar na terra seca pra ter algum sustento, tendo que ver filho sem comida, sem futuro. Enquanto tem gente que nas periferías do Brasil tem que ficar o dia sem comer se quiser estudar e não tem roupa nova nem pra dá um rolé no Xopis, essa fela d’uma égua vem dizer que não “agüeeennnntaaaa!” um solzinho de nada. Problema de olho é toco!


Mirmã, você tem é sorte que Luiz Gonzaga não tá vivo. Porque fazer o que você fez, ainda mais tando na terra dele, tu ia levar um réla tão do grande. Ia ser uma sarrabuiada que nem os mano de São Paulo e os boladões do Rio iam tapar os dois buracos nos olhos causados por outras árvores. Eu sendo você, mô véi, tomava era cuidado que os homi tão ligado. Lampião ainda tá vivo e a legião de Lenine, Alceu, Silvério Pessoa, Pedro Luiz e a Parede, Eddie, Chico Science e Nação, Geraldo Azevedo, Arlete Sales, Elba Ramalho, Tiririca, Falcão e Didi Mocó tão tudo é atrás de transformar esse diabo loiro em uma Asa Branca e não tem Fernando Macieira que salve a senhora do destino.

domingo, 4 de abril de 2010

De volta para o passado!


Há um pouco mais de um ano, estava Eu saindo das Terras Tupiniquins e desembarcando na terra de Obama. Assim como o Daniel Sam, em Karate Kid, houveram muitos círculos para esquerda e para a direita até chegar ao famoso golpe da Gazela. De uma noite em Miami para um ano em Reno, finalmemente, estou na terra dos Anjos, pelo menos um lugar santo. Pois é, enjoei dos pecados das roletas dos cassinos em Reno e resolvi seguir o caminho da salvação da terra californiana, visão esta, totalmente contrária na cabeça dos republicanos.

Em cidades como Los Angeles e San Francisco, a palavra “diversidade” é determinante. Além de comunidades chinesas, coreanas, judaicas e até mermo etiopianas, você, mais que o sabão Invicto, com certeza, vai encontrar o distrito gay, o que já explica o porquê dos democratas falarem em respeito às diversidades enquanto os seguidores de Bush falam em “terra do pecado”. No final companheiro, é pau no fioforis de todo mundo porque agora é a vez do Obama dizer “Vai ter que me engolir”. Viva o Negão!

Em pouco mais de dois meses, já deu pra sacar que o babado, aqui, mô véi, é intenso. Como em uma big city, você encontra todo o tipo de psicopata. Em Reno, o povo perde o juízo por causa do vício de jogo, em LA é a tal “liberdade” e a busca pela fama que em pouco tempo faz a cabeça daqueles que não têm fé na santa. E hajam imagens de Santa Guadalupe, a virgem dos mexicas, pra segurar a onda de los hermanos angelinos.

Esta última sexta, Eu e meu companheiro Mano, um dos poucos brasileiros achados até agora, fomos para a Roxy, uma das casas de shows famosas em Los Angeles. Liso como somos (“Liso? Como assim Bial?” - Você me perguntaria. O liseu, companheiro, é um vírus que afeta brasileiros de todas as nacionalidades e, como ainda não inventaram uma vacina pressa méda, vamo que vamo!), Mano ativou o contato chave pra o passe livre (Que não é de extrema esquerda!) e óia que ainda tivemos direito a pulserinha VIP, rapá! Foi aí que parei pra pensar como esse negócio de VIP é a maior fraude. No Brasil, nunca entendia como é que uma piriguete, usando roupa da Riachuelo, maquiagem da Avon, espicha os cabelos, compra uma botinha dividida em bilhões de vezes no cartão da favorita loja C&A, ficava pagando de gostosa nos eventos com uns maxu bunito, rebolando com a porra da pulserinha e, Eu, chique toda, arrasante, toda cultural de sandália de couro, ficava no meio da multidão recebendo cantada brega dos “frangotinho das Olinda” que nem bigote têm essas porra, é só a borrinha de café que pra dizê que têm hormônio! Agora tá explicado, né?!

Mas, naquela noite, nós estávamos afim mermo era de tomar uma e curtir um som original. Ao entrar na casa, consegui avistar logo de cara um fuá amarelo se saculejando. Os cara mais pareciam uma reprise mofada dos Guns N’ Roses no palco. Com a diferença que eram músicas pÓprias. Minino, que riqueza! Como se não bastasse a versão heavy metal do bozo, ainda tivemos que aturar a porra da guitarra gritando no pé do ouvido. Viiiixe! Até o pirrainha do “Hey Jude” (http://www.youtube.com/watch?v=KNHLywCfnHI) toca melhor. Pelo menos havíamos chegado já no final para a entrada na banda principal. “Pronto! Vamo curtir esse carai!”- pensei. E as cortinas se fecharam para a entrada triunfal da banda que, de tão boa, eu esqueci o nome. Americano gosta de uma papagaiada, depois reclamam das comunidades gays. Vê, o principal esporte dos cara é o futebol americano que nada mais é que um bando de maxo, forte, suado, catinguento, querendo agarrar um ao outro. O objetivo de pegar a bola é a maior fraude (dependendo do tipo de bola, claro!). Os caba passam mais tempo se agarrando que tentando alcançar a porra da bola. E tem mais…Se você não gosta de uma coisa selvagem, ainda tem a opção do Baseball. O negócio é tão sem graça, que, em Reno, a galera botou um boneco feio que mais parecia o Bocão pra animar as crianças enquanto o locutor pedia pra torcida fazer barulho – Come on Reno, make some noise!. Vai te arrombá! Mané, make some noise! Tem que sê maXU, que nem os rubro-negros de Recife: “Cazá! Cazá! Cazá! Cazá! A turma é mermo boa, é mermo da fuzaca. Sport! Sport! Sport!”.

Pois bem, assim como as músicas dessas bandas brasileiras são repletas de “Filho da puta! Caralho! Aaaahhhh!!”, aqui, a gente também não entende nada, só o “%#$@^! FUCK FUCK FUCK FUCK!!!”. Mais interessante é vê o bucho sexy e as tetinhas “Eu tenho 13 anos” dos componetes do grupo. Por que misera os véios de 50 anos insistem em que dá uma de boizinhos? Nas brenhas do interior pernambucano, eles se amancebam com os galetinhos - Tem peitinho....tá na base! Já o americano não tem meio termo: ou dão uma de mexica, tudo enxerido e safado; ou dão uma de sentimental–sandáliadecouro-cult-óculosladygaga-funk que só come comida orgânica ou raw. E olhe que as “donzelas” (que tem as buças tudo bichada, diga-se de passagem) caem de cabeça e (priquita) na onda, ou melhor, nas faturas dos cartões de crédito. Você, amigo, deixe de ser virgem e ingrato e dê graças ao pai pelas brasileiras. Vocês reclamam das Marias Gasolina da vida, mas não conhecem a Maria Cascartãolina, espécie muito comum nos EUA: Casa, Cartão, Carro e Gasolina. Assim, meu filho, teu pinto ia ficar num celibato filha da puta! Em compensação, se for desenrolado (porque feiura é só um detalhe que qualquer necessidade resolve), é mais fácil você conseguir na balada um ball cats de uma americana que um beijo na boca. (Ox, e é Uma Linda Mulé, nada, rapai! Mai também, com uma belezura daquela, Julinha, quem ia fazê questão, né? Faz que nem os matuto tocando violino: “E viro a cara e meto a vara! E viro a cara e meto a vara!”, num instante ela molha a calcinha e sem precisar de apresentação de ópera).


Voltando ao momento retrô rock show, me senti como Marty McFly, o cara do filme “De volta para o futuro”, só que com algumas décadas a frente. Pelo menos, o som dos cara era melhor que o da banda anterior. Impossível era não rir das figuras. Começando pelo baterista! Depois de perder três baquetas ao jogá-las pro ar e não pegá-las, bem no estilo Chris Noveselic do Nirvana, o setentão finalizou sua participação com uma porrada em um bongo, que durante todo o show eu e Mano jurávamos que fazia parte da decoração do palco. Sem contar o moderno efeito especial das pelancas voadoras que davam o efeito “équio” das baquetas. O baixista, então, todo no estilo pato Howard, muito lembrava o anão do Austin Powers. O único que ainda fazia estilo Axel Rose sessentão era o guitarrista. Para finalizar, claro, não poderíamos deixar de falar do sexy appeal do vocalista. Com sua fivela de caveira segurando o bucho e a calça justa preta incandecente de cantor de brega, o sujeito cantava feito bailarina e os cabelos negros afuazados lembravam mais a Gal Costa depois de um baseado.

Como vi que a noite não ia passar daquele estado de epilepsia das bandas, o único jeito pra não perder a noite era observar a galera ao lado. EITA LASQUERA! Pronto, tinha desde admiradores de 13 anos até as tietes de 50 anos no estilo Cyndi Lauper. Pelo menos deu pra rir um pouco e ter certeza do que não quero ser quando crescer.